16/04/2016 0 Comments AUTHOR: Ilma Vieira Silva CATEGORIES: Idoso, Uncategorized Tags:,

O IDOSO E A INFORMÁTICA

É importante despertar nas crianças o sentido do  valor pessoal.  Mostrar-lhes o quanto são importantes e como podem ser úteis.  Demonstrar-lhes apreciação pelas realizações, dar-lhes estímulos, através de elogios merecidos.  Esses elementos são básicos na formação da auto-estima nas crianças. Os valores adquiridos e as experiências positivas acompanharão o indivíduo por toda a vida, com  grande possibilidade de enfrentar os problemas da  vida e saírem vencedores.

Na terceira idade podemos  observar as pessoas e constatar como cada um desenvolveu sua auto-estima e como aprendeu a resolver seus conflitos positiva ou negativamente: desconfiados, inibidos, desadaptados, se têm iniciativa, trabalhadores, produtivos, criativos ou preguiçosos  acomodados, se mantém um bom relacionamento inter pessoal, se desejam vencer na vida ou são parados, se procuram novas opções de vida, se têm uma personalidade estável ou instável, se são líderes ou apenas liderados, conformados ou inconformados, se são mesquinhos ou não, otimistas ou pessimistas, etc.  Pelas observações vê-se claramente os dois tipos de pessoas da   terceira idade: os que aqui chegaram com um ego fortalecido, estruturado, felizes, realizados e os que não conseguiram alcançar seus objetivos e ressentem-se de sua não realização vivendo amargurados, tristes, desesperançados, causando prejuízo à sua auto estima.

O ser humano é o somatório de suas vivências e aprendizagens.  Os comportamentos e as atitudes foram aprendidos.  Algumas aprendizagens ficam tão arraigadas à personalidade que dificilmente serão mudadas, mas é bom saber que tudo o que foi aprendido pode ser desaprendido.  E isso é uma bênção!.

Aprende-se a ser uma pessoa produtiva ou improdutiva na idade de 6 a 10 anos, segundo Erik Erikson, e isso é de extrema importância para a terceira idade.  

Quando as crianças são incentivadas a  aprender a fazer coisas, a utilizar as mãos em atividades produtivas, ocupando –se  em pequenas tarefas diárias, desenhando, pintando, aprendendo a bordar, costurar, etc., elas desenvolvem  atitudes positivas diante do  trabalho, A auto estima será elevada ou  diminuída a partir do que a criança vai sentir sobre ela mesma, partindo dos louvores,  e palavras de apreciação, elogios e sentimentos das pessoas em relação à sua realização.  Quando os pais se detém em apontar somente os defeitos e os erros dos filhos a tendência é eles não acreditarem em si mesmos e no seu potencial, pois os pais são os primeiros a  dar-lhes um “atestado de incompetência” não acreditando que seus filhos sejam pessoas  capazes,  estes desenvolverão sentimentos de inferioridade que impedirão a auto-realização e sua auto estima será prejudicada.

Quando as atitudes positivas em relação à produtividade são desenvolvidas, o indivíduo chega à  vida adulta como alguém desejoso de ser  útil, de servir, de crescer e ainda aprender, descobrem e desenvolvem seus talentos colocando  sua imaginação e seus esforços na recriação de suas vidas.

Mudanças não estão do dia-a-dia da pessoa que chegou aos  60 anos,  O idoso não gosta, ou tem dificuldade de mudar. A mudança provoca desestruturação na vida de quem viveu até os 60 fazendo as mesmas coisas, lendo os mesmos livros, fazendo a mesma caminhada, enfim, é difícil mudar.

Hoje em dia com os avanços da ciência e da tecnologia o mundo está correndo, e correndo muito.  Nossos filhos e netos acompanham facilmente a introdução de novas máquinas, novos métodos de trabalho e de ensino, mas com o idoso não acontece assim.  Suas estruturas estão muito arraigadas e ele não gosta de mudar.

Por que ter medo do novo?  Situações novas trazem insegurança.  Carl Rogers  afirma que o ser humano está sempre aberto a mudanças, está apto a receber inovações e adaptar-se a elas.  Para alguns é mais fácil, para outros é muito difícil e é por isso que alguns idosos têm medo de entrar na área da informática.  Muitos ainda usam folhas de rascunho e lápis, outros adaptaram-se a máquina de escrever – das antigas e às elétricas, mais modernas, e agora, com as novas tecnologias deparamos com o computador!…  Sempre existe o medo do novo, do desconhecido; mesmo na troca de um carro velho por um mais moderno existe a necessidade de adaptação às inovações – modelo, painel, câmbio, air-bags, som, etc.  e outras novidades maravilhosas, mas quando a pessoa quer, ela procura adaptar-se às inovações e isso acontece rapidamente.

As pessoas com baixa auto estima têm medo do novo, medo de mudar, não querem mexer nas estruturas adquiridas , têm medo”… mas as pessoas com elevada auto estima buscam melhorar sua imagem, seu autoconceito e elevar ainda mais sua auto estima, e isso é muito bom, pois a “auto estima é uma experiência íntima, reside no cerne do ser. É o que o indivíduo pensa e sente sobre si mesmo e não o que o outro pensa e sente sobre ele” (Nethaniel Branden). Aprender coisas novas aumenta a auto estima da pessoa.

Então, por que ter medo do computador?  Por que não enfrentar?  Porque enfrentar o novo exige mudanças e o idoso prefere não mudar.  Acomoda-se; mas o idoso não está morto e enquanto há vida há esperança.  Por que não recriar sua vida? Aproveitar  de maneira útil a vida que ainda lhe resta. Para perder o medo é só enfrentar o computador. “Nada conseguirá se não  experimentar.  A diferença da máquina de escrever para o computador é bem grande, a única coisa mais parecida é o teclado, e somente com a disposição para enfrentar esse desconhecido é que se consegue acostumar com ele.

Tenho lido relatos de pessoas que antes nem sequer  conseguiam pensar nesta nova máquina, mas enfrentaram o desafio da nova tecnologia e lucraram muitíssimo porque descobriram a utilidade do uso do computador para sua vida.

Adquirindo intimidade com o computador você, aos poucos, vai acostumar com novos  “nomes”: disquete, mouse, driver, delete, salvar, e-mais, barra de ferramentas, ícones, barra de menu, barra de rolagem, RAM, pasta, arquivos, etc. e logo estará entrando na Internet, fazendo pagamentos, transferindo dinheiro de um banco para outro, mandando e-mails para seus amigos, produzindo cartões coloridos e mensagens, tudo sem sair de casa.

Para perder o medo é só começar a mexer com a máquina.  É claro que um professor o ajudará mais facilmente na compreensão e no manuseio da máquina que poderá ser um sucesso na sua vida.  É só começar…  Se você tem c coragem para começar, tudo será resolvido e só você lucrará mais!

Você tem que acreditar em si mesmo.  É preciso crer e crer  é acreditar naquilo que confia, mesmo sem ver.

É preciso experimentar e as experiências só acontecem quando alguém se dispõe a buscá-las.  É preciso agir.  Quanto maior a predisposição para agir e sair vitorioso das experiências, mais elevada será sua auto-estima.  “Não posso fazer mais nada”, “sou um inútil”, “O que se pode esperar de um(a) velho(a) como eu”…  A teoria do “SELF” ensina que “O homem é aquilo que ele pensa”.

O idoso tem que continuar com sua auto estima elevada, por isso não pode ficar para trás, precisa aceitar as mudanças e adaptar-se a elas.  Colocar sua mente no coração.  Querer  é ter força de vontade.  O velho provérbio diz:” querer é poder “  e Mirabeau afirmou que “Tudo é possível ao homem de vontade”.

Não tenha medo, enfrente o computador, descubra a informática, acostume-se  com ela. Eleve  sua auto estima e seja feliz!…

Could not resolve host: urls.api.twitter.com