06/07/2017 0 Comments AUTHOR: Ilma Vieira Silva CATEGORIES: Mulher, Vida Cristã Tags:,

PÉROLAS DE GRANDE VALOR

Isaías 62:3 – “E serás umas coroa de Glória na mão do Senhor e um diadema real na mão do teu Deus”.

As pérolas embora não sejam pedras preciosas, têm grande valor como adorno. Muitas noivas gostam de usá-las em anéis e grinaldas.

As pérolas são extraídas de ostras perlíferas e de alguns mariscos.

Pérolas preciosas, joias, pérolas e gemas são consideradas símbolos de poderio e riqueza.

As pérolas são achadas nas carapaças de músculos e de ostras perlíferas. São formadas de um pequeno grão de areia ou de um pequeno verme que penetra entre as duas valvas. Para não ser ferida pelo intruso a ostra segrega um muco em volta dele com a mesma matéria com que reveste suas conchas. A mesma matéria que reveste o interior da ostra vai formando uma camada sobre outra em volta do intruso até que o grão de areia fique completamente envolvido dentro de uma bola de NACAR, que forma a pérola.

As pérolas são formadas muito lentamente – quase 4 anos e raramente atinge grandes proporções. As pérolas mais bonitas são as que provém do Golfo Pérsico, mas hoje são procuradas nos Mares do Sul, Costa da Austrália, América Central, ou nas Ilhas do Pacífico Sul.

Para pescar as ostras perlíferas os pescadores mergulham de um barco, e cada um tem o seu ajudante que fica a bordo segurando uma corda com o lastro de uma grande pedra e guiam o mergulhador. O pescador leva uma cesta rústica na ponta de um cordão e uma faca bem amolada. A grande pedra na ponta da corda conduz o pescador até o fundo, de 15 a 18 metros, onde enche de ostras a cesta o mais depressa possível. A faca serve para se defender de tubarões que possam aparecer.

Quando a cesta está cheia o mergulhador sacode a corda avisando ao ajudante que o puxe para a superfície. Quando chega no barco abre imediatamente as ostras na esperança de encontrar pelo menos uma linda pérola.

Os japoneses inventaram uma maneira de produzir pérolas introduzindo grãos de areia nas carapaças das ostras provocando, assim, a formação de pérolas que são as pérolas cultivadas. As pérolas que surgem espontaneamente – as chamadas naturais – são mais valorizadas e são mais caras, atingindo preços mais elevados. A diferença entre elas não pode ser vista a olho nu, mas apenas com raio X.

O valor das pérolas, como o dos diamantes não depende apenas do tamanho, mas também da regularidade e sobre tudo do seu brilho, que é chamado de “oriente” em linguagem profissional.

A pérola pode ser atacada por muitos produtos – os ácidos, em particular, a água e o sabão e a transpiração prejudicam todo o “oriente” – o brilho. A perda do brilho torna a pérola translúcida e perde também seu valor. Por isso, qualidades como o brilho, forma, e dureza das pérolas mesmo as mais valiosas e caras podem também perder seu valor e ficam cada vez mais escassas.

As pérolas trazem grandes lições para nós – mulheres.

As mulheres, como as pérolas, estão espalhadas por todo o mundo. Existem as pérolas grandes e pequenas, valiosas e aquelas que não têm tanto valor. Mulheres, moças e crianças são pessoas preciosas quando são santificadas pelo sacrifício  de Jesus.

Em Mateus 15:45,46 lemos a “história de um homem negociante que buscava boas pérolas, quando encontrou uma de grande valor, foi, vendeu tudo quanto tinha e a comprou”.

Em Apocalipse 21:21 João nos fala sobre as riquezas da Jerusalém Celestial, no verso 28 ele diz que a fábrica do seu muro era de jaspe e a cidade de ouro puro, era semelhante ao vidro puro; os fundamentos da cidade estavam adornados de toda a pedra preciosa: Jaspe, safira, calcedônia, esmeralda, sardônica, sardo, crisólita, berilo, topázio, crisoprazo, jacinto e ametista…

No verso 21 João nos diz que as doze portas eram doze pérolas e pensemos no tamanho de uma porta e no tamanho de uma pérola! Como as pérolas são preciosas!

Vimos até aqui que o campo de formação da pérola é o mar. Nossas meninas se tornam mulheres, e demoram muitos anos para crescer até se tornarem jovens. São criadas nos lares. A ostra demora mais ou menos 4 anos para se formar; uma criança demora mais para ser mulher valiosa no futuro. Precisa ter seu lar fundado em Jesus Cristo para que sua formação seja aprovada por Deus. A formação de uma criança começa antes do seu nascimento. A mãe da pérola é a ostra – nós mulheres somos mães das pequenas “ostras” que recebemos de Deus para cuidar rodeando-as com o “NACAR” tão importante no valor da ostra. O NACAR que a mãe e o lar oferecem à criança – futura mulher – deve ser o revestimento que vai formar uma ostra “oriente”, de grande valor. Realmente isto se refere ao exemplo materno da espiritualidade, da consagração, do testemunho de Cristo, que creia que foi salva por Ele sendo cooperadoras dos trabalhos da igreja, mulher de oração, consagrada, cuidadora, prontas a ajudar, preparando assim suas filhas para o casamento e que seus filhos saibam também escolher suas esposas de acordo com a vontade de Deus. Que essas mulheres sejam espelho para outras mulheres que repetirão o brilho do Espírito Santo, sendo íntegras de caráter, mansas ao falar, que tenham domínio próprio, formando assim pérolas de grande valor para o Reino de Deus.

Falar com suas “pérolas” sobre o seu valor principal de ser uma “pérola” lembrando-se que o seu preço foi pago por Jesus para resgata-la e salva-la. Também é importante ensinar que se a pérola não “for caçada pelo caçador” de pérolas – Deus – ela pode perder-se no grande mar da vida. Jesus quer buscar suas pérolas preciosas para continuar o seu trabalho aqui na terra. É grande a responsabilidade da mulher de hoje em cultivar as pequeninas pérolas que Deus confiou a cada uma das mulheres aqui presentes a serem responsáveis pela salvação do mundo a começar pela nossa família.

O que busca pérola no fundo do mar sacrifica-se para alcança-las. Jesus também desceu da sua Glória, sacrificou-se dando sua vida para salvar as ostras que nos são confiada.

As pérolas são utilizadas como “adorno”, como lemos em Isaías 62:3: Somos pérolas para ser uma coroa de glória na mão do Senhor e um diadema na mão de Deus. Deve ser o desejo de cada mulher levar seus filhos para também serem bênçãos na casa de Deus.

Fala-se muito em “tamanho da joia”, toda pedra preciosa tem seu tamanho e valor. Na obra de Deus é importante o valor e não o tamanho lembrando sempre que “tamanho não é documento, pois existem pedras preciosas pequenas que tem grande valor perante Deus, o que importa é o “oriente”, o brilho que cada pérola mostra pela sua vida de testemunho que aparecem nos frutos que apresentam na vida cristã.

Vimos que a pérola pode ser atacada por produtos externos como água, sabão, suor, etc. a vida cristã de uma ostra pode ser atacada e destruída por elementos que as atacam diariamente: vaidade, preguiça, indiferença, falta de amor e reverência, palavras torpes, maus testemunhos, mulheres relaxadas, que não se cuidam, que não cuidam dos seus esposos, que não cuidam da casa do Senhor e nem da sua própria casa etc.

Mas em contra partida as pérolas podem ser preservadas através de cuidados especiais: abandonando tudo que foi dito antes e cultivando a vida devocional, dedicando-se à leitura e o estudo da Bíblia, orando sem cessar, participando das atividades da igreja, visitando órfãos, viúvas crianças em orfanatos, asilos etc…

Um joalheiro da H. Stern dá conselhos de como a pérola deve ser tratada. Diz ele que não é possível garantir a vida de uma pérola. Estima-se que ela possa alcançar de 100 a 150 anos. Mas existem exemplares de várias centenas de anos conservando, ainda, uma boa aparência. O cuidado contribui para sua conservação… As joias em pérolas não devem ser guardadas em lugares fechados e escuros como cofres. O ideal é que estejam sempre em uso, já que se beneficiam do contato com a pele, oxigênio e luz. A oleosidade do corpo humano aumenta seu viço. É importante que elas evitem entrar em contato com cosméticos, perfumes ou laquê. Deve-se guarda-las em papel de seda ou saco de camurça e assim por diante para evitar que se contaminem com as maldades do mundo.

Diante do exposto do joalheiro podemos tirar boas lições para vida cristã de nossas pérolas:

  1. Não se pode definir a vida de um ser humano, pode-se viver muito ou pouco. Mas é necessário cuidado para mante a boa aparência. Isso exige cuidados com o corpo, alimentação e boa saúde;
  2. As joias não devem ser guardadas em lugares fechados ou cofres, isto significa que nossas “pérolas” não deve se fechar em suas casas ou igrejas pois o ideal é que estejam sempre em uso, isto é, trabalhando para o crescimento do Reino de Deus pois as joias se beneficiem em contato com outras pessoas, sendo luz do mundo, iluminando outras vidas. Sendo sal e luz…
  3. O contato com outras pessoas aumenta suas oportunidades de testemunhar muito mais;
  4. Evitar contato com cosméticos, perfumes e perfumes etc. isto nos aponta para deixar a vaidade de lado. O que importa é a beleza da alma, atitudes sadia, palavras de conforto, beneficência, ajuda, essas coisas forma a beleza da vida.
  5. “Guardá-las em papel de seda”… significa evitar a aparência do mal, evitando más companhias, dar exemplo de vida cristã para aqueles que as rodeiam, confortar os aflitos e oprimidos – esta é a verdadeira beleza.

CONCLUSÃO – Para concluir quero dizer que pérolas caras são escassas e mais preciosas. As mulheres cristãs devem ser exemplos para as jovens e crianças mais novas, mostrando pelo exemplo, pelo seu comportamento que são pérolas no mundo atual e que este exemplo deve ser seguido pelas novas gerações de mulheres para a glória de Deus.

                                  Adaptação para palestras de Ilma Vieira Silva

 

    

Couldn't resolve host 'urls.api.twitter.com'